Você está aqui
Home > Destaque > O RESSURGIR DAS CINZAS

O RESSURGIR DAS CINZAS

“Há vinte anos Deus me resgatou de uma vida triste. Eu morava em Rondônia, me envolvi com drogas e toda a minha vida desencaminhou. Perdi casa, carro, moto e, principalmente, perdi a minha família. Minha esposa e meus filhos foram embora para Londrina. Fiquei sozinho. Durante dez anos, levei uma vida de sofrimentos, até que minha mãe, uma mulher muito religiosa, pregadora da Renovação Carismática, foi atrás de mim. Eu estava no meio dos usuários de drogas e, quando a vi, senti que Deus estava entrando na minha vida. Com o dinheiro da aposentadoria, minha mãe comprou uma passagem para Londrina. Era 1998. Fiquei na casa da minha sogra. A cada dia que passava, mesmo confuso, sentia que Deus queria realmente me resgatar. E me resgatou. Graças a Deus, minha esposa me acolheu novamente e eu recomecei minha vida. Atualmente moro no Jardim Nova Esperança. Quando mudei para cá, comprei um terreno grande para construir a minha casa, a casa da minha filha e a minha oficina. Sou pintor e funileiro. Comecei a me envolver com os problemas da comunidade que escolhi para viver. Passei, então, a dar o meu testemunho num bairro onde nem igreja havia; as missas eram celebradas no meio da rua. Fui me envolvendo cada vez mais com a minha comunidade, com a construção da nossa capela. Sou um homem de Deus, caminho com a Igreja, ajudo bastante a minha comunidade, faço parte de algumas pastorais, pertenço ao terço dos homens, ajudo na liturgia da igreja, nas leituras. Sou Vicentino! Há 20 anos faço parte desse mundo que Deus me colocou. Nesse mundo, eu renasci. O que significa Páscoa para mim? Páscoa é o renascimento, é o ressurgir das cinzas. Todo mundo pode e deve renascer, quando for necessário. Para mim, Páscoa é nascer novamente. E nascer grande, pensar grande, pensar no próximo, amar o próximo, lutar por ele. Lutar pela família. Eu renasço todos os dias”.
Almir Escobar, pintor e funileiro
Foto: Angelita Santini Niedziejko

Artigos similares

Topo