Você está aqui
Home > Notícias > Biomagnetismo – a aposta no poder da cura natural

Biomagnetismo – a aposta no poder da cura natural

 Mais de 20 pessoas receberam formação sobre a terapia integrativa que une os focos científicos e espirituais

 

Dr Isaac Goiz-Durán

Na última semana a Capela Mãe da Divina Providência foi sede de um curso sobre biomagnetismo, ministrado pelo padre mexicano Elias Arroyo Durán, que também exerce a profissão de médico e clínico geral. Esta foi a segunda formação deste tipo em Londrina e o espaço foi gentilmente cedido pelo pároco Rafael Solano.

O biomagnetismo é uma técnica descoberta pelo médico mexicano Isaac Goiz Duran, no final da década de 1980, que consiste basicamente em um diagnóstico e tratamento de doenças revisando o paciente, por potentes ímãs, que variam de 3.500 a 5.000 Gauss – ou abreviado por G –  unidade que mostra a densidade do fluxo magnético.

“É um método terapêutico que o Dr. Isaac encontrou diante das doenças que não tinham cura pelo método tradicional, quando começou a investigar a questão dos ímãs na terapia”, explicou Marly Pupim, paroquiana da Divina Providência e participante da primeira turma do curso. Ela faz alusão à primeira experiência do doutor mexicano, em 1988, quando utilizou dos instrumentos magnéticos em um paciente com HIV e notou reações positivas de seu organismo.

Marly também reforça a ideia de que o biomagnetismo é uma terapia integrativa e complementar. “(O biomagnetismo) não pode ser confundido como uma terapia alternativa, pois alternativa o paciente deve escolher. Já a terapia sendo integrativa ela pode ser trabalhada junto com outras terapias tradicionais, não interferindo nos demais tratamentos que a pessoa está realizando”.

O campo de atuação do biomagnetismo é amplo, variando de doenças causadas por parasitas, bactérias, fungos e vírus, além de disfunções de glândulas e órgãos. Os ímãs equilibram o PH do organismo, regulando e colocando-os em estado saudável. A terapia também atua em doenças de cunho emocional. Marly comentou que o biomagnetismo atinge a causa da doença, e não os sintomas – como geralmente fazem os remédios. Se a doença foi descoberta em estágio inicial, o tratamento com os ímãs pode até eliminar a patologia do corpo da pessoa.

A terapeuta comenta que, por Dr. Elias possuir uma formação religiosa, parte da formação sobre biomagnetismo apresenta um conteúdo espiritual. “Existe o foco científico e a vertente da espiritualidade, que seria esta questão do cuidado com a vida humana”. Apesar de não ter um caráter invasivo, o tratamento com biomagnetismo é restritivo a usuários com marca passo, aparelhos auditivos, gestantes (devido ao fator psicológico) e também por pessoas que já passaram por tratamentos como a quimioterapia e a radioterapia, pois a células que os ímãs deveriam equilibrar são destruídas nestes processos, fazendo com que o tratamento complementar tenha efeito nulo.

Pacientes que se tornam terapeutas

Três crises em um período de quatro anos, de uma doença neurológica que a medicina não soube diagnosticar nem medicar de forma correta. A artesã Andreza Marianowski buscou tratamento pelo biomagnetismo e através da terapeuta Marly, procurou de especializar no assunto. “Eu observei uma melhora no meu organismo e com isso me interessei (no curso), porque com a melhoria no meu estado de saúde eu poderia ajudar outras pessoas”, afirmou. “Além do conhecimento, a experiência que eu passei veio confirmar o que o biomagnetismo trouxe de mim para mim. Nunca imaginei estar aqui hoje, só que o benefício foi tão grande que despertou o desejo de ajudar o próximo”, completou.

A empresária Ogizeli Versutti veio de Maringá (PR) para participar do curso. Diagnosticada com fibromialgia, Ogizeli sofre da doença desde quando era criança e, conversando com uma cliente, descobriu o tratamento magnético. Realizando outras terapias como o Reiki e a Barra de access, a empresária se diz “fascinada” pelo biomagnetismo. “Sempre gostei da área da saúde, mas nunca pude atuar. Fiz a terapia há um ano e senti uma melhora muito grande para a minha doença. O biomagnetismo me chamou a atenção pois a melhora é instantânea. Vim aqui em busca da cura física mas também encontrei uma cura espiritual, pois vi o que é a verdadeira doação e o verdadeiro amor pelo irmão”, relatou.

“Muito interessante um novo tipo de medicina, na qual você utiliza ímãs para reequilibrar o PH do organismo”, disse o italiano Luca, presença “internacional” no curso. “Eu não sabia absolutamente nada sobre o assunto, já que lá na Itália existem poucas informações. Achei interessante porque não é um tipo de medicina “invasiva” – Luca trabalha em um hospital – você não utiliza nenhum tipo de remédio e também não existem efeitos colaterais”, complementou.

Na primeira formação, em 2016, as 17 pessoas que se tornaram terapeutas do biomagnetismo criaram a Associação Divina Misericórdia. Segundo Marly, a associação – que está criando suas diretrizes de trabalho e cadastrando interessados – buscará atender de forma particular todo o tipo de público, com prévio agendamento. Neste segundo curso, foram mais de 20 pessoas formadas.

Por Edson Neves

Artigos similares

Topo