Você está aqui
Home > Notícias > Em uma bela cerimônia, Londrina dá as boas-vindas ao 14º Intereclesial das CEBs

Em uma bela cerimônia, Londrina dá as boas-vindas ao 14º Intereclesial das CEBs

Fiéis de raças e culturas diferentes se reuniram no Monumento à Bíblia com um mesmo objetivo: promover grandes mudanças sociais

Uma multidão de fiéis vindos de todos os cantos do país se concentraram no Monumento à Bíblia para a abertura do 14º Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s), que acontece até o próximo sábado (27). O tema deste ano é “Os desafios do mundo urbano”.

A Cia. Ouro Verde de Viola Caipira e o Grupo Sansey estiveram responsáveis pela animação dos presentes. No momento da abertura, todas as comunidades englobadas no evento foram representadas por dois membros e se reuniram, formando um círculo, próximo ao palco. Além de cada Regional, os indígenas, quilombolas, imigrantes (alemães, portugueses, italianos e japoneses) e os refugiados fizeram uma rápida passeata entre o público, em um belo momento de união. Músicas típicas de cada região do Brasil também animaram o público.

O Arcebispo de Londrina, Dom Geremias Steinmetz, deu as boas-vindas aos mais de 3 mil participantes inscritos no evento. “Estamos entregando a cidade de Londrina a todos que vieram participar do 14º Intereclesial. No mês passado, sabendo que a espera estaria diminuindo, a nossa alegria estava aumentando. Somos convidados a viver da alegria, a festa do povo de Deus, o povo que se encontra para celebrar e conviver. Sejam então todos bem-vindos e aproveitem esses dias para viver aqui momentos de solidariedade”.

Depois de 48 horas de viagem, Lucimar Teixeira, de Ji-Paraná (RO), chegou com a delegação da Regional Noroeste II, composta por 190 pessoas. “A gente vem lutando pelos nossos direitos e esperamos que o documento que sair daqui seja produtivo, para que nós possamos levar à nossa comunidade. Temos a questão da Campanha da Fraternidade (CF), que também aborda a questão do preconceito, discriminação, violência urbana e na natureza. Estes encontros, assim como o Intereclesial, trazem muito ganho para isso. Quem está aqui não é a elite e sim os povos que vivenciam todos esses problemas que nós temos”, afirmou.

Da Regional Sul I, o diácono Antonio Campineiro, da Arquidiocese de São Paulo, comenta que encontros como o Intereclesial podem promover grandes mudanças. “Nossa esperança é que a população se conscientize que precisamos de um Brasil e um mundo melhor, que se preocupe com todas as raças e línguas. (Desafios do mundo urbano) É um tema que veio a calhar porque nos encontramos em uma situação muito delicada e precisando de grandes mudanças. E essas mudanças só ocorrem pelo povo que está engajado nas lutas sociais”. 

Vinda de Maceió (AL), onde a Regional Nordeste II viajou durante quatro dias até chegar em Londrina, Rosário de Fátima participa dos Intereclesiais desde a sua sétima edição, ocorrida em Duque de Caxias (RJ) no ano de 1989. “Para nós das Comunidades de Base é sempre um momento de partilha, socialização e fortalecimento da existência das comunidades. O nosso maior desafio realmente é trabalhar as comunidades urbanas, porque é lá que você encontra a população mais necessitada de cuidados. Este tema é vai nos orientar para fortalecer todas as comunidades urbanas nas nossas realidades”, declarou a integrante da Arquidiocese de Maceió.  

Relacionando o texto-base do Intereclesial com o lema, extraído do Livro do Êxodo (“Eu vi e ouvi os clamores do meu povo e desci para libertá-lo”), Dom Geremias relembrou a saída do povo de Israel do Egito, liderados por Moisés, e fez uma referência ao . “No Egito, o povo servia ao Faraó, mas eles precisam deixar o Egito para servir a Javé em Sinai, porque Deus quer o povo livre de quaisquer amarras para servi-lo com o máximo de liberdade. O projeto para Moisés era um projeto libertador àquele povo, que sempre dedicou sua vida em razão ao seu Deus e que em troca receberam uma terra para viver. Foi um momento decisivo a original para aquele povo. É Deus que faz existir o que não existe, que dá liberdade a quem não tem”. Mesmo o desafio sempre grande, as CEB’s aceitaram o desafio por acreditar que Deus envia o espírito que ilumina e fortalece quem luta pela justiça e pela paz”, finalizou o Arcebispo.

Por Edson Neves

 

 

Artigos similares

Topo