Você está aqui
Home > Notícias > “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração”

“Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração”

Dom Geremias Steinmetz busca refletir com esperança a caminhada das CEBs no encerramento do 14º Intereclesial; Local do próximo encontro já está definido

Cerca de 5.500 pessoas estiveram presentes na cerimônia de encerramento do 14º Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), ocorrida no Ginásio de Esportes Moringão. Entre os dias 23 a 27 de janeiro, participantes de todo o país debateram sobre os “desafios do mundo urbano”. Foram realizadas plenárias com diversos temas de onde foram expostas ideias e formalizadas, de onde sairá um documento a ser trabalhado em cada comunidade de base existente no Brasil.

 Integrante da regional nordeste II em Recife (PE), José Marcos destacou o valor do Intereclesial e comentou o seu aprendizado. “Foi uma experiência muito interessante. Uma igreja com a cara do povo, que cumpre o chamado de Jesus e do Papa quando se fala na ‘Igreja em Saída’, que se preocupa com o valor do povo que aprendeu a operar sua fé na caminhada da vida. Então enxergar e viver essa experiência foi um grande aprendizado. Naturalmente que em uma semana não conseguiríamos tratar estes desafios como um todo, mas o encontro vai além disso. Ele nos identifica como igreja, entendendo que estamos nesta caminhada. Por isso, as propostas vão surgindo a partir de cada localidade”.

Padre da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora em Salvador (BA), Jorge Brito destacou a acolhida londrinense e a organização. “Fomos muito bem acolhidos. A Arquidiocese está de parabéns pela organização. As CEBs buscam fazer uma reflexão sobre o mundo urbano, e é um grande desafios a chamada pastoral vertical, já que a violência das cidades tem dificultado essa evangelização. Mas acredito que as comunidades mostraram o caminho. Jesus nos ensinou a fazer o bem sem olhar a quem. São desafios que podem ser vencidos com a boa vontade dos homens”, afirmou. Sobre o encontro, citou a metodologia e a sua importância pós-Intereclesial. “Como todo evento desta categoria, o maior desafio é o depois. Tudo o que foi refletido aqui foi importante, mas devemos colocar em prática. Nós vimos a realidade, ouvimos os gritos. Agora o desafio é descer até nossas bases para libertar”, completou o padre, parafraseando o lema do intereclesial (“Eu vi, ouvi os clamores do meu povo e desci para libertá-lo”).

Silvana Sarmento, da regional norte II no Pará, falou sobre a história das CEBs. “Durante esses dias pude compreender melhor a caminhada das CEBs do ponto de vista histórico. Ela é o novo jeito de ser igreja e nós leigos estamos na base conduzindo o dia a dia desta Igreja”. Junto com Silvana, o participante Josias Alves, da regional III, falou sobre as plenárias. “Vimos o quanto é desafiador compreender estes desafios, com toda a diversidade que temos. Mas tem muita gente sonhando com uma cidade melhor, buscando políticas públicas que se adaptem ao povo mais empobrecido, já que são o público mais necessitado. As reflexões dos assessores foram muito boas, as plenárias deixaram com que cada delegado pudesse expor sua opinião. Assim, todos refletiram e discutiram o que era melhor para a comunidade onde moram”, reforçou.

Entre os compromissos firmados no documento, estão o apoio às comunidades indígenas e quilombolas; a cobrança de políticas públicas de inclusão; promoção da cultura da vida e da juventude.

Na cerimônia de encerramento, onde estavam presentes 60 bispos, o Arcebispo de Londrina Dom Geremias Steinmetz buscou deixar uma reflexão de esperança para as CEBs. “Ao final de tudo, todos sabem como todos os trabalhos se desenvolveram. Mas em conversa com muitas pessoas simples e até mesmo com pessoas q nos assessoraram, eu diria ao final de tudo: não desanimemos. Não sei porquê, talvez agora a resposta me apareça, mas quando fui ordenado padre, há quase 27 anos, o meu lema era o seguinte: ‘sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração’. E assim queremos que as CEBs continuem o seu caminho”, disse Geremias.

Também foi definido a sede do 15º Intereclesial, que será realizado na cidade de Rondonópolis (MT), em 2022.  Ao final da celebração, o ícone do encontro – a cruz de madeira,  foi repassada pelos londrinenses aos delegados mato-grossenses.

Confira abaixo a carta do 14º Intereclesial

 Por Edson Neves

Artigos similares

Topo